ct nov grd
Cleber Toledo
Blog CT
Cleber Toledo é jornalista desde 1992, com passagens por jornais em Paraná, São Paulo e Tocantins. Fundador do Portal CT.

Wanderlei Barbosa questiona espírito municipalista de Amastha: “Sequer faz parte da ATM"

CLEBER TOLEDO 17 de Jan de 2018 - 09h32
Comparilhe
Foto: Ascom/Divulgação
O deputado estadual Wanderlei Barbosa (SD) questionou em nota o espírito municipalista do prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB), que acabou de assumir interinamente a Frente Nacional de Prefeitos (FNP). "Amastha assumiu interinamente a Frente Nacional dos Prefeitos dizendo que fará a defesa do municipalismo. Mas como ele tem coragem de dizer isso ao povo sendo que no Tocantins ele vira as costas para a luta pelos municípios?”, perguntou Wanderlei.

Segundo o parlamentar, "não há como negar isso", já que o prefeito "sequer faz parte da Associação Tocantinense dos Municípios (ATM), entidade que no Estado tem a responsabilidade de lutar pelos municípios”.

O deputado lembrou que Amastha até chegou a fazer parte da ATM, mas se desfiliou da entidade. "Depois que percebeu que não poderia controlá-la como era seu interesse”, disparou Wanderlei.

Ele disse que a ATM é "uma entidade democrática, que faz a defesa transparente e cooperativa dos interesses dos municípios tocantinenses, levando em conta a vontade popular”. "Postura bem diferente da autoritária e intransigente usada por Amastha”, acusou o parlamentar. 

A FNP representa os municípios com mais de 200 mil habitantes, enquanto a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), à qual a ATM é filiada, as cidades menores. Assim, a frente não representa as prefeituras tocantinenses, com exceção de Palmas.

Confira a íntegra da nota de Wanderlei:

"NOTA À IMPRENSA
 
Afastamento de Amastha da Prefeitura de Palmas para assumir FNP é uma farsa
 
No momento em que o Brasil e o Tocantins passam por uma importante transformação e a sociedade cobra respeito da classe política, vemos o prefeito de Palmas, Carlos Amastha, deixar a gestão municipal para assumir uma entidade, numa artimanha desprezível para enganar o povo.
 
Amastha assumiu interinamente a Frente Nacional dos Prefeitos dizendo que fará a defesa do municipalismo. Mas como ele tem coragem de dizer isso ao povo sendo que no Tocantins ele vira as costas para a luta pelos municípios? E não há como negar isso, já que o Amastha sequer faz parte da Associação Tocantinense dos Municípios (ATM), entidade que no Estado tem a responsabilidade de lutar pelos municípios.
 
Amastha até chegou a fazer parte da ATM, mas se desfiliou da entidade depois que percebeu que não poderia controlá-la como era seu interesse. A ATM é uma entidade democrática, que faz a defesa transparente e cooperativa dos interesses dos municípios tocantinenses, levando em conta a vontade popular, postura bem diferente da autoritária e intransigente usada por Amastha.
 
A população do Tocantins precisa abrir os olhos ao discurso enganador do prefeito Amastha, que deixa desamparada a população de Palmas que o elegeu, se licenciando do cargo de prefeito, para fazer campanha pelo interior do Estado, levando consigo secretários municipais, que deveriam estar trabalhando pelo povo de Palmas, que paga seus salários com os altos impostos que Amastha cobra dos palmenses. Amastha claramente cria um personagem tentando iludir a população tocantinense.
 
Em seus discursos se coloca como defensor da boa política, mas na prática faz o mais baixo jogo de interesses, trabalhando apenas para saciar suas próprias vontades.

Povo tocantinense, não se deixe enganar. A mudança que o nosso Tocantins e o Brasil precisam passa por retirar da política pessoas que mentem para o povo em busca de saciar seus próprios interesses.
 

Palmas, TO, 16 de janeiro de 2018
 
Wanderlei Barbosa
Deputado Estadual"

Em ofício a ministro, 36 prefeitos declaram “apoio político” a Gaguim

CLEBER TOLEDO 17 de Jan de 2018 - 08h56
Comparilhe
Foto: Ascom/Divulgação
Em ofício nessa terça-feira, 16, endereçado ao ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, 36 prefeitos do Tocantins declararam "apoio político" ao deputado federal Carlos Gaguim (sem partido).

No ofício, eles afirmam que Gaguim realiza um “excelente trabalho” junto aos municípios. “Principalmente na incansável busca de recursos para áreas importantes como saúde, saneamento básico, desenvolvimento urbano, turismo, fortalecimento da área rural produtiva, bem como de projetos importantes para gerar emprego e renda à nossa população”, dizem os prefeitos.

Gaguim se reuniu com os prefeitos nessa segunda-feira para orientá-los sobre a tramitação dos processos nos ministérios. “É uma preocupação com a legalidade para que consigamos o melhor resultado”, explicou o deputado.

Assinam o documento os prefeitos Ivan Paz (Aguiarnópolis), Vaguinho (Almas), Paulo Antônio (Alvorada), Adriano Ribeiro (Barrolândia), Miyuki Hyashida (Brejinho de Nazaré), Maria de Jesus (Chapada da Areia), Júnior Marajó (Cariri), Ildislene Santana (Caseara), Paulo Rocha (Conceição), Cleiton Cantuário (Cristalândia), Ivo Diniz (Juarina), Nonato Nestor (Lagoa do Tocantins), Suelene Lustosa (Lizarda), Pastor João (Mateiros), Moisés da Sercon (Miracema), Martinha Rodrigues (Natividade), Dr. Ladir (Nova Rosalândia), Fabrício Viana (Paranã), Dr. Paulinho (Pequizeiro), Edinon Mendes (vice de Pindorama), Joaquim Maia (Porto Nacional), Maria de Jesus (Pugmil) Yaporan da Fonseca (Ponte Alta do Bom Jesus), Diogo Borges (Talismã), Manoel Silvino (Tocantínia), Patrícia Evelin (Xambioá), Hernandes Neves (Araguanã), Neurivan Rodrigues (Carmolândia), Professora Eliete (Aragominas) e Eduardo Sobrinho (Piraquê).

- Matéria atualizada às 10h16

Ivory vai assumir vaga na AL e governo Amastha conseguirá aprovar Orçamento

CLEBER TOLEDO 17 de Jan de 2018 - 08h17
Comparilhe
Foto: Ascom Câmara/Divulgação
O vereador Ivory de Lira (PPL) já avisou os companheiros da oposição que vai deixá-los na chapada e assumirá a vaga do deputado estadual Júnior Evangelista (PSC), de quem é suplente. Com isso, o Moisemar Marinho (PDT) tomará posse na Câmara de Palmas e a prefeitura terá quórum para aprovar as matérias como desejar.

A manobra do Paço foi muito inteligente. Evangelista assumiu a Secretaria de Habitação — inelegível por ter as contas reprovadas pela Câmara de Miracema em agosto, ele não disputará a reeleição na AL. O parlamentar assumiria a Secretaria de Governo em abril, no lugar de Júnior Coimbra (PSB), que disputará vaga de deputado estadual em outubro.

Contudo, diante do impasse na Câmara, onde a prefeitura não tem votos para aprovar como quer a Lei de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento de 2018 — a oposição tem 10 parlamentares e a situação, 9 —, o governo do prefeito Carlos Amastha (PSB) criou essa manobra, sabendo que Ivory não resistiria ao desejo de reassumir a AL.

Aos colegas, o vereador justificou que, para declinar da oportunidade, teria que renunciar à vaga de suplente, o que não ficaria bem em ano em que pretende novamente disputar uma cadeira de deputado estadual. "Para nós, foi um golpe duro”, admitiu um vereador de oposição, que preferiu não ser identificado.

Em relação ao Orçamento, a principal preocupação do governo Amastha é com a redução da margem de remanejamento de 30% para 5%, já aprovada pela oposição nas comissões. Com maioria agora ao lado da prefeitura, a proposta será derrubada em plenário.

Prefeitos pré-candidatos em xeque

CLEBER TOLEDO 17 de Jan de 2018 - 07h29
Comparilhe
Foto: Montagem CT
Prefeitos e pré-candidatos a governador Ronaldo Dimas e Carlos Amastha: discursos começam na contramão
No período em que os dois prefeitos e pré-candidatos a governador Carlos Amastha (PSB) e Ronaldo Dimas (PR) resolvem tirar licença para cuidar de suas pré-campanhas, eis que o mundo desaba sobre suas gestões. Crise na saúde em Araguaína, o dano de R$ 18,6 milhões do tal Ises em Palmas, paralisação de funcionários e por aí vai. É o choque de realidade promovido pelo destino. Ninguém é perfeito.

Dimas e Amastha são bons gestores, mas me desagrada ver o discurso que ambos têm feito de que resolver a crise do Tocantins é fácil. Cada um disse isso a seu modo. Esse discurso para conquistar o eleitorado me lembra o candidato a presidente Fernando Collor garantindo em 1989 que derrotaria a hiperinflação com um tiro só. Depois descarregou uma metralhadora em cima e não deu conta.

Dimas e Amastha não falam a verdade. A solução da crise do Estado não será fácil e exigirá tremendo sacrifício de todos os segmentos da sociedade.

A coluna tem dito — e vai repetir quantas vezes forem oportunas — que o bom candidato de 2018 não será o que prometer facilidades, mas o que avisar das enormes dificuldades que vêm pela frente. Nesse sentido, os dois prefeitos começam na contramão, com demagogia.

A ação do destino para desnudar os dois “reis" em suas pré-campanhas foi muito bem-vinda. A exposição das dificuldades de suas gestões, neste momento, por si, derruba essa conversa de gestão "modelo para a galáxia” e de que eles teriam nas mangas soluções mágicas para o Tocantins. Nada disso. São bons gestores e, justamente por isso, excelentes pré-candidatos a governador, mas enfrentarão os limites de recursos e o excesso de contas a serem pagas, caso cheguem ao Palácio Araguaia. E não há maquininha de imprimir dinheiro.

Fora as limitações financeiras existem as vaidades que impedem admitir o óbvio: que são seres humanos imperfeitos. Sobretudo Amastha, que tem por hábito tomar decisões sem ouvir os interessados. Foi assim com o estacionamento rotativo no centro de Palmas e com o shopping a céu aberto em Taquaralto. Deu com os burros n’água nos dois episódios. Dois projetos desastres de sua gestão e tinham tudo para ser excelentes, mas a arrogância, como é típico do prefeito, falou mais alto.

Dessa forma, para contribuir com os dois, vai a recomendação de que usem da humildade para reconhecer suas limitações e também as imensas dificuldades que terão se assumirem um Estado cujas contas vêm se deteriorando terrivelmente não por uma gestão, mas ao longo de anos, por falta de planejamento e pela adoção de medidas populistas às vésperas de eleições.

É essa conversa franca, verdadeira, transparente que todos os pré-candidatos precisam ter com a sociedade. Fora isso, o discurso continuará idêntico ao que se viu em todas as últimas eleições, em que o pretendente a governador se apresenta como salvador da pátria e depois se decepciona e decepciona a sociedade.

Assim, nossos agradecimentos ao destino por colocar em xeque os dois prefeitos pré-candidatos.

CT, Palmas, 17 de janeiro de 2018.

Cláudia Lelis pede empenho dos prefeitos para divulgação do Refis 2018

CLEBER TOLEDO 16 de Jan de 2018 - 09h46
Comparilhe
Foto: Lourenço Bonifácio/Secom Tocantins/Divulgação
A governadora em exercício Cláudia Lelis (PV) conclamou os prefeitos a se empenharem na divulgação do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais (Refis), lançado nessa segunda-feira, 15, pelo governo do Estado. Afinal, lembrou a governadora, 50% do valor arrecadado com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e 25% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) vão para os cofres dos municípios.

Cláudia disse que o Refis é uma oportunidade para que empresas e pessoas físicas possam regularizar sua vida financeira com o Estado. Ela ressaltou que o governo tem inscrito em dívida ativa cerca de R$ 3 bilhões. Deste total, a previsão do governo é arrecadar R$ 50 milhões à vista e R$ 150 milhões parcelados. (Com informações da Secom Tocantins)
Redação: Palmas, Tocantins, Brasil, +55 (63) 9 9219.5340, +55 (63) 9 9216.9026, [email protected]
2005 - 2018 © Cleber Toledo • Política com credibilidade
ArtemSite Agência Digital