11/07/12 10h14 12/07/12 08h43

Unimed do Centro-Oeste e Tocantins está entre as operadoras proibidas de vender novos planos

Motivo foi o desrespeito aos prazos máximos de atendimento aos usuários, conforme a Resolução Normativa 259 da Agência Nacional de Saúde
Raimunda Carvalho
Da Redação

O governo federal decidiu suspender a venda de 268 planos de saúde comercializados por 37 operadoras. A medida foi anunciada nessa terça-feira, 10, pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Entre os planos suspensos está a Unimed Federação Interfederativa das Cooperativas Médicas do Centro-Oeste e Tocantins, que atende o PlanSaúde.

O motivo foi o desrespeito aos prazos máximos de atendimento aos usuários, conforme a Resolução Normativa 259 da Agência Nacional de Saúde (ANS).

Em nota divulgada nesta quarta-feira, a empresa, com sede em Brasília, informou que a operadora do plano de saúde dos servidores do Estado do Tocantins (Plansaúde) é a Secretaria de Administração (Secad),  e que o papel da Unimed Centro-Oeste e Tocantins é prestar suporte operacional ao Plansaúde.

Conforme a nota, a suspensão na comercialização de alguns planos da Unimed não afetará a operação do Plansaúde, tampouco trará impacto aos usuários do referido plano.

No entanto, de acordo com o governo, a decisão é da ANS com a Unimed Centro-Oeste e que "não tem nada a ver com o PlanSaúde dos servidores do Estado". O governo também garantiu que o PanSaúde "segue normal e que os 80 mil beneficiários não serão afetados".

Segundo o ministro Alexandre Padilha, As empresas terão três meses para se adequarem aos prazos que variam conforme a especialidade médica.

Simed
Para a presidente do Sindicato dos Médicos do Tocantins (Simed), Janice Painkow, a suspensão ocorreu em virtude da “ganância de ter mais renda”. “Na intenção de ganhar mais em cima dos beneficiários, os planos de saúde diminuíram a rede deles, ou seja, descredenciou serviços hospitalar, profissionais da saúde e aumentaram o número de beneficiário”, explicou a presidente.

Janice disse ainda que, com este posicionamento, as redes dos planos de saúde não têm como cumprir os atendimentos. “A rede ficou de forma que eles não dão mais conta de cumprir a assistência devida”, enfatizou.

Outro ponto negativo é também o descredenciamento dos próprios médicos. “Os planos de saúde pagam uma tabela irrisória que não compensa o atendimento do profissional. Hoje, os médicos não estão dando conta de manter o seu próprio estabelecimento com o atendimento do plano. Os médicos vivem com prejuízo”, garantiu a presidente do Simed.

Janice enfatizou que os planos de saúde precisam se adequar a Resolução Normativa 259 da Agência Nacional de Saúde (ANS). “Os planos de saúde não podem mais ser expandidos e devem se adequar as normas exigidas, porque só assim eles [os planos] voltarão ter credibilidade junto a Agência de Saúde”, comentou.

Lei a íntegra da nota

"Nota
Tendo em vista a divulgação, dessa terça-feira, 10, da suspensão da comercialização de planos pela Agência Nacional de Saúde (ANS), órgão regulador e fiscalizador do setor de saúde suplementar, a Unimed Centro-Oeste e Tocantins esclarece:

1. A Operadora do plano de saúde dos servidores do Estado do Tocantins (Plansaúde) é a Secretaria de Administração (SECAD), entidade de direito público, não regida pela Lei e normativos da saúde suplementar.

2. O papel da Unimed Centro-Oeste e Tocantins é prestar suporte operacional ao Plansaúde.

3. Dessa forma, a suspensão na comercialização de alguns planos da Unimed não afetará a operação do Plansaúde, tampouco trará impacto aos usuários do referido plano.

Entenda o caso
O governo decidiu suspender a venda de 268 planos de saúde comercializados por 37 operadoras. A medida foi anunciada pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha. O motivo foi o desrespeito aos prazos máximos de atendimento aos usuários, conforme a Resolução Normativa 259 da Agência Nacional de Saúde (ANS).

Padilha ressaltou que os usuários desses planos não serão prejudicados. Para as consultas básicas, o cliente deve esperar no máximo por sete dias úteis para conseguir o atendimento. Para outras especialidades o prazo é 14 dias e para procedimentos de alta complexidade, 21 dias.

O ministro esclareceu que os planos que tiveram a venda suspensa correspondem a apenas 7% do total de usuários. No País, existem 1.016 operadoras, que comercializam cerca de 22 mil planos. Atualmente, 47,6 milhões de brasileiros estão vinculados a um plano médico, o equivalente a quase um quarto da população.

A lista das operadoras punidas é a seguinte:
Admédico Administração de Serviços Médicos a Empresas Ltda,
Administradora Brasileira de Assistência Médica Ltda,
ASL – Assistência à Saúde,
Assistência Médico Hospitalar São Lucas S/A,
Beneplan Plano de Saúde Ltda,
Casa de Saúde São Bernardo S/A,
Centro Clínico Gaúcho Ltda,
Centro Transmontano de São Paulo,
Excelsior Med S/A,
Fundação Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte,
Fundação Waldemar Barnsley Pessoa,
Green Line Sistema de Saúde S/A,
Grupo Hospitalar do Rio de Janeiro Ltda (Assim),
HBC Saúde S/C Ltda,
Memorial Saúde Ltda,
Nossa Saúde – Operadora de Planos Privados de Assistência à Saúde Ltda,
Operadora Ideal Saúde Ltda,
Porto Alegre Clínicas S/S Ltda,
Prevent Sênior Private Operadora de Saúde Ltda.
Real Saúde Ltda EPP,
Recife Meridional Assistência Médica Ltda,
Samp Espírito Santo Assistência Ltda,
São Francisco Assistência Médica Ltda,
São Francisco Sistema de Saúde Sociedade Empresária Ltda,
Saúde Medicol S/A,
Seisa Serviços Integrados de Saúde Ltda,
SMS – Assistência Médica Ltda,
Social – Sociedade Assistencial e Cultural,
Sosaúde Assistência Médico Hospitalar Ltda,
Unimed Brasília Cooperativa de Trabalho Médico,
Unimed Federação Interfederativa das Cooperativas Médicas do Centro-Oeste e Tocantins,
Unimed Guararapes Cooperativa de Trabalho Médico Ltda,
Unimed Maceió Cooperativa de Trabalho Médico,
Unimed Paulistana Sociedade Cooperativa de Trabalho Médico,
Universal Saúde Assistência Médica S/A,
Vida Saudável S/C Ltda,
Viva Planos de Saúde Ltda.
  • 1º) comentário por em 11/07/12 14h03
    TCE, MPE... esses órgãos deveriam fazer uma devassa no Plansaúde. Seria muito esclarecedor para todos os usuários. Plansaúde é um plano muito caro e não está dando o suporte necessário aos funcionários.
    (Usuário identificado pelo IP: 187.54.239.107)