19/04/13 09h21 19/04/13 11h10

Sindicato solicita ao MPE e Fenaj medidas contra “ataques ” de deputados a jornalistas tocantineses

A nota faz referência ao recente episódio envolvendo a jornalista Roberta Tum
Da Redação

O Sindicado dos Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins (Sindjor) divulgou nesta sexta-feira, 19, nota onde solicita ao Ministério Público Estadual (MPE) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) medidas contra “ataques constantes” a jornalistas do Estado.

A nota faz referência ao recente episódio envolvendo a jornalista Roberta Tum e seu site de notícia, "verbalmente agredida pelos deputados Wanderlei Barbosa [PEN] e Stalin Bucar [PR] numa desesperada tentativa de intimidar o trabalho da imprensa".

 Conforme o sindicato, no Tocantins as “agressões verbais por parte de parlamentares vêm sendo a principal forma de intimidação de jornalistas, revelando a dificuldade em conviver com a liberdade de informação, a crítica e o debate democrático respeitoso”.

O Estado, segundo a nota, não pode ficar inerte diante deste cenário de crescente ameaça contra os profissionais de jornalismo no Tocantins.

Leia a íntegra da nota

“Ofício n.º 069/2013 - SINDJOR

Palmas, 18 de Abril de 2013.

A Sua Excelência a Senhora
Vera Nilva
Procuradora Geral do Ministério Público Estadual
Nesta

Senhora Procuradora,

Em decorrência dos constantes ataques que profissionais jornalistas tocantinenses vêm sofrendo nos últimos dias, por parte de alguns deputados estaduais, a exemplo do recente episódio envolvendo a jornalista Roberta Tum e seu site de notícia, verbalmente agredida pelos deputados Wanderlei Barbosa e Stalin Bucar, numa desesperada tentativa de intimidar o trabalho da imprensa, o Sindicado dos Jornalistas Profissionais do Estado do Tocantins – Sindjor/TO vem expor e solicitar providências:

- Em que pese o estado de direito que o povo brasileiro conquistou com a democratização do país, o Sindjor assiste, preocupado, o aumento do número de ameaças contra a profissão e o jornalismo.

- No Tocantins as agressões verbais por parte de parlamentares vêm sendo a principal forma de intimidação de jornalistas, revelando a dificuldade que ainda existe no parlamento tocantinense em conviver com a liberdade de informação, a crítica e o debate democrático respeitoso.

- O Estado não pode ficar inerte diante deste cenário de crescente ameaça contra os profissionais de Jornalismo no Tocantins. O Sindicato dos Jornalistas do Tocantins e a sociedade cobram do governo estadual, do Poder Legislativo do Estado e do Judiciário rápidas e eficientes medidas para que a política do terror e do medo não sobrepujem a esperança de um futuro melhor para o Estado.

- As agressões às liberdades de expressão e de imprensa atentam contra o direito da sociedade à informação. Ademais, semeiam a insegurança, o medo e o sentimento de que a transgressão às liberdades democráticas faz do Tocantins uma terra sem lei.

- Para cumprir seu papel social, os jornalistas precisam contar com um ambiente de real liberdade de expressão e de democracia nas comunicações.

Atenciosamente,

Júnior Veras
Presidente.”
  • 1º) comentário por em 19/04/13 11h01
    Tà na hora mesmo é de se criar um estatuto da imprensa. Toda categoria neste país tem um órgão fiscalizador, menos os jornalistas que acham que podem tudo e não querem aceitar críticas!
    (Usuário identificado pelo IP: 177.1.113.172)
  • 2º) comentário por em 19/04/13 11h17
    Não concordo com ameaças e tão pouco com jornalistas tendenciosos, que puxa saco de uns e desce a lenha em outros. Sou a favor de uma imprensa livre e moral, imparcial e que mostre a sociedade como as coisas são realmente e não manipuladas. Essa roberta tum esta a serviço dos SICAS. Mas cabe aos que sentir caluniado recorrer a justiça para garantir a sua idoneidade. Se é inocente prove a sociedade. O que vejo são pessoas de má fé e surrupiadoras do dinheiro publico tentanto intimidar a imprensa
    (Usuário identificado pelo IP: 189.65.48.144)
  • 3º) comentário por em 19/04/13 15h36
    Como toda classe, existem boms e maus profissionais. Não se pode achar que a imprensa é intocavel. Gostam de detonar a imagem das pessoas algumas vezes sem sequer averiguar devidamente os fatos. Quando são cutucados, se rebelam fazendo de vítima. Se não deve não teme. Sou jornalista, e não concorda com a poosição de algums colegas. Sei que o jabá muitas vezes direciona uma reportagem.
    (Usuário identificado pelo IP: 201.88.123.226)