Solidariedade

Instituto Frankel Rodrigues da Silva promove ações sociais em todo Estado

Entidade ganhou este nome após a morte do filho do médico Flávio Rodrigues da Silva e da psicóloga Iracema Costa

Da Redação

Foto: Arquivo pessoal
Iracema e Flávio promovem ações sociais por meio do Instituto Frankel Rodrigues da Silva
O médico Flávio Rodrigues da Silva e sua esposa, a psicóloga Iracema Costa, promovem ações sociais em todo o Estado, por meio do Instituto Frankel Rodrigues da Silva, que foi criado em 8 de dezembro de 1995. A entidade ganhou o nome do filho do casal, falecido em acidente de carro em 2013.

Silva contou que, após a morte do filho, a entidade passou a ter também o objetivo de ajudar comunidades carentes em suas necessidades de alimentação, médica e outras. “Em novembro de 2013 foi realizado o Feijão Solidário, cuja renda ajudou famílias através da doação de cestas básicas. Em dezembro de 2013 promovemos o Natal Solidário da Creche Nossa Senhora do Carmo, no Setor Taquari”, contou.

Ele lembrou ainda que no ano de 2014 estendeu atendimento médico e psicológico a quilombolas da comunidade Barra de Aroeira. Em fevereiro de 2015 a abril do mesmo ano, o instituto promoveu atendimento médico e psicológico em Formoso do Araguaia e região. Em junho de 2015 também atendimento médico e psicológico em Arapoema. Na festa junina em 2016 arrecadou alimentos para a Liga do Câncer.

“O instituto tem realizado diversas ações fazendo diferença nas comunidades da sociedade tocantinense. Novas ações para este ano em breve serão divulgadas”, afirmou.

Começo
Inicialmente, a unidade manteve sua atenção voltada para os povos indígenas, estabelecendo programas de integração do índio na área esportiva como o futebol, formando a seleção brasileira de índios de várias etnias. “Esta seleção ficou conhecida na época em jogos estaduais, tanto no Tocantins como em São Paulo e Rio de Janeiro”, contou Silva.

Segundo ele, houve divulgação no período de 1955 a 2000 na mídia nacional, através dos programas do Serginho Groisman, Jô Soares e da saudosa Hebe Camargo.

Inativo
Silva contou que o instituto permaneceu inativo por um período de dez anos e reiniciou suas atividades com o nome de Instituto dos Povos Tradicionais do Tocantins (INPTO), em 17 de novembro de 2011 sob a direção de Iracema Costa Alves Silva. “Sua finalidade era promoção, aperfeiçoamento e acompanhamento de políticas públicas voltadas para as populações tradicionais, etnias , índios, quilombolas, impactados da barragem, agricultores, ribeirinhos, artesãos afim de preservar o meio ambiente e sustentabilidade local com intuito de prover e garantir geração de renda e segurança familiar”, ressaltou.

Primeiro presidente
Silva contou ainda que o primeiro presidente da instituição de saúde foi Emidio Barros Pinto Filho. “Nessa época a unidade chamava-se Instituto de Desenvolvimento dos Povos Indígenas (INDI), com sede no município de Tocantínia à rua Jacinto Pereira, 426. Formado por pessoas idôneas, apolíticas e sem fins lucrativos, o propósito sempre foi atender pessoas necessitadas em diversas áreas”, contou. (Com informações da assessoria de imprensa)

Comentários